terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

sinais

Amou tanto
Agora era velha e não conseguia sentir-se tomada de qualquer sentimento em relação a coisa alguma, mas tinha amado muito. Esperava ainda encontrar-se com algum ser que se movesse sobre a crosta da terra.

Até que se enamorou pela fachada de uma igreja de Assis, decidindo mudar-se para aquela cidade. Era Inverno, e durante os temporais nocturnos, saía com o guarda-chuva para fazer companhia à igreja, plena de uma luz amedrontada.
Depois, chegou a Primavera, e todas as manhãs e todas as tardes, com as mãos, tocava as pedras quentes e enxutas. Foi um amor sereno e sem traições que durou até à sua morte.


Tonino Guerra, "Histórias para uma noite de calmaria"

2 comentários:

maria franco disse...

Deliciosa esta prosa!
Boa noite.

Graça Pires disse...

Este livro de Tonino Guerra também faz parte da minha estante. Gostei de o encontrar aqui.
Beijos.