sábado, 9 de maio de 2015

Scuola di Atene, Raphael




Numa época em que saber não é valorizado. Num tempo onde ler e ler e ler nada vale. Num tempo onde se constroem verdades sem sentido nenhum, recordar a Escola de Atenas, ou Academia de Atenas, de Rafael faz todo o sentido.
Quando se opta pela promoção de uma sociedade big brother, de ignorantes encartados, que  vivem de forma mais confortável do que quem gasta todo o tempo a queimar pestanas, promovida por um Estado que não aprecia quem estuda nem quem pensa, porque o mercado liberalizado não compra, este quadro torna-se relevante.

Lembro Platão:o maior inconveniente da escrita, caro Fedro, se bem julgo, com a pintura. As figuras pintadas têm atitudes de seres vivos, mas se alguém as interrogar, manter-se-ão silenciosas, o mesmo acontecendo com os discursos: falam das coisas como se estas estivessem vivas, mas, se alguém os interroga, no intuito de obter um esclarecimento, limitam-se a repetir sempre a mesma coisa.

É interessante perceber como a escrita produz o falso conhecimento. Num tempo onde a filosofia nada vale, onde uns tontos tornam ciência a maior das barbaridades, este quadro renascentista retrata uma série de filósofos, como Platão, Sócrates, Pitágoras etc.


A pagina da wikipédia refere todos os filósofos



3 comentários:

Graça Pires disse...

Subscrevo na totalidade. A pintura de Raphael é lindíssima. Também a vi no Museu do Vaticano.
Beijo.

via disse...

mas Platão não era grande apreciador da arte nem dos artistas, considerava-os uns tolos, nesse tópico discordo dele.

Petrus Monte Real disse...

Nunca é demais
fazer sobressair
a Escola de Atenas
a Grécia
berço da Civilização Clássica.
Concordo em absoluto: nos dias de hoje
a filosofia faz muita falta.

Em Milão
vi o esboço da obra
igualmente belo
na Pinacoteca Ambrosiana:
"enche" praticamente uma sala!
Um momento inesquecível!

Gostei muito.

Grato pela partilha