quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Alice Vieira

"esperar que voltes é tão inútil como o
sorriso escancarado dos mortos na
necrologia do jornais

e no entanto    de cada vez que
a noite se rasga em barulhos no elevador e
um telefone se debruça de um sexto andar

sinto que ainda ficou uma palavra minha
esquecida na tua boca

e que vais voltar
para
devolver"

2 comentários:

Ana P disse...

Lindo este poema

Graça Pires disse...

Uma maravilha! A Alice Vieira, que nos tinha habituado às histórias infantis, dá-nos uma poesia que nos toca.
Um beijo.