segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

24 de Fevereiro de 2014



Vou até ao cimo, 
conto-te tudo
choro e rio
vejo-te, olho-te
e desço 
sorrio
e levo
a "carta a Garcia”. (cs)


“A nossa visão do mundo é o próprio mundo assimilado por nós, mas não desnaturado. Ele e o nosso espírito são idênticos ou a mesma energia em vários modos de actividade. O inteligente é o inteligível, o sujeito é o objecto; e a imagem duma árvore, na memória, é a mesma árvore desdobrada… O esquecimento murcha-lhe as folhas; e a lembrança reverdece-as. A saudade duma pessoa querida é o seu mesmo corpo tornado incorruptível. E na saudade de Deus perpassa divina sombra…”
- Teixeira de Pascoaes, O Homem Universal, Lisboa, Edições Europa, 1937, p.43.

4 comentários:

Anónimo disse...

:) sorrio!...
Lua

cs disse...

Beijo Luinha. Saudades :)

Graça Pires disse...

Gostei deste texto de Teixeira de Pascoaes. Posso dizer com ele que assimilamos o mundo conforme o vemos...
E gostei do pequeno poema que antecede o texto: "Vou até ao cimo, conto-te tudo"...
Um abraço.

cs disse...

Graça Pires

muito obrigada :)