segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Entre subjetividades e pós - modernidades

"Primeiro você cai num poço. Mas não é ruim cair assim num poço de repente? No começo é. Mas você logo começa a curtir as pedras do poço. O limo do poço. A umidade do poço. A água do poço. A terra do poço. O cheiro do poço. O poço do poço. Mas não é ruim a gente ir entrando nos poços dos poços sem fim? A gente não sente medo? A gente sente um pouco de medo mas não dói. A gente não morre? A gente morre um pouco em cada poço. E não dói? Morrer não dói. Morrer é entrar noutra. E depois: no fundo do poço do poço do poço do poço você vai descobrir quê."

- Caio Fernando Abreu, fragmento do conto "Nos Poços". em: O Ovo Apunhalado. 4ª ed. São Paulo: Siciliano, 1992, p.19.

Sem comentários: