domingo, 31 de março de 2013

O Tempo. O que é?





Não é mais que um conjunto de fenómenos que marcam, imprimem cicatrizes na pele, no olhar e na alma, e parece  aos nossos sentidos que acontece. Mas é apenas na nossa cabeça que ele existe, que ele voa, que ele passa. Degastamo-nos, corpo e alma,  como mostram as nossas rugas; deixamos para trás entretanto(s) em forma de memória. Aprendemos que o tempo não é igual sempre. Aprendemos enfim que "o tempo tem o tempo que o tempo tem ". Entre o fruto que apodrece e a passagem de uma nuvem, aprendemos tantos tempos.
Frente a um mundo que corre este nosso tempo tornou-se uma construção conceptualizada em cada momento. 

Alguns dos nossos momentos acontecem num  "LAPSO DE TEMPO". Cada nanomomento da nossa realidade (sendo este o tamanho da paragem do tempo) é memorizado de forma mais lenta do que aquela como a nossa memória o conta, à posteriori.
O tempo constrói-se na reprodução das  memórias. As memórias aceleram o tempo. As memórias tornam visíveis aqueles momentos invisíveis, impossíveis de serem observados no tamanho/momento do tempo . São o nosso "lapso de tempo" reproduzidos em superfícies memoriais. Com se de imagens em movimento se tratasse. Como deve ser.
cs





2 comentários:

CCF disse...

Há minutos que duram anos e anos que passam num minuto, o tempo interior é uma medida sem medida exacta.
Abraços
~CC~

cs disse...

E que a memória posteriormente constrói. Ampliações da memória