domingo, 18 de novembro de 2012

Ao Espelho!





Porque insistes, espelho permanente?
Porque duplicas, misterioso irmão,
O menor movimento desta mão?
Porquê o teu reflexo de repente?
És o outro eu de que falou o grego
E espreitas desde sempre. Na lisura
Da água incerta ou do cristal que dura
Procuras-me e é inútil eu estar cego.
O não te ver, mas o saber que existes
Acrescenta-te horror, poder com que ousas
Multiplicar o número das coisas
Que somos e as nossas sinas tristes.
Quando eu morrer, vais copiar um outro
E depois outro, outro, outro, outro...




JORGE LUIS BORGES in A ROSA PROFUNDA, 

in OBRAS COMPLETAS III 1975-1985, trad. de 

FERNANDO PINTO DO AMARAL (Teorema, 1998)

1 comentário:

Bípede Falante disse...

Esse Borges era mesmo um gênio!!

beijoss :)