sexta-feira, 20 de abril de 2012

Etno opiniões



Em tempos passou-me pela cabeça fazer uma licenciatura em História. Tenho a certeza que não estaria arrependida. Amo, apesar de ter sido sol de pouca dura e as voltas da vida lá me empurraram para uma licenciatura na área das ciências da Saúde. E lá dei volta e cá estou eu no meio entre a Medicina e a mais humanista da ciência, ou a mais cientifica das humanidades (Eric Wolf), a Antropologia.

Enquanto alinhavo a metodologia da minha dissertação e percebo a minha paixão pela etnometodologia das ciências , uma metodologia híbrida por se tentar objetividade e clarificação mas sempre comprometida apesar da postura obrigatória de vigilância e a reserva obrigatória na relação com os sujeitos da investigação . Um fascínio sustentado em dualidades e compromissos entre opostos donde lhe vem o seu encanto e a sua imensa dificuldade, uma metodologia que obriga, quase,  a "estar lá", pensava nos historiadores e de como vivo neste constante conflito entre o insider/outsider

Os historiadores vivem num constante confronto inteletual. O primeiro é que nunca lá estiveram e chegam sempre tarde.  

2 comentários:

mfc disse...

Coitados dos Historiadores... mas também coitados de nós que, sem eles, nunca saberíamos o que nos trouxe até aqui!!

cs disse...

adoro historiadores mfc :))