segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Being In The World

Alicerçado no paradigma da super especialização; no super desempenho; humanos a agirem melhor e mais rápido que o próprio pensamento; não reflectem mas fazem a coisa certa no momento certo e de forma adequada; pessoas que acreditam que para agir terão de agir como uma máquina ; este nosso domínio de habilidades físicas, intelectuais e criativas para sermos mestres nesta sociedade e encontrar sentido nesta construção social onde habitamos; como nos construímos num conjunto de regras numa perseguição de proficiência quase a correr atrás de um ser humano único em sintonia com o divino.

É, mais ou menos, esta a ideia que levo quando for ver o filme J

E ainda com Lyotard, Bruno Latour, Woolgar, Lynch , Luc Pauweels, Pasveers etc, companheiros de viagem.

Roubei aqui que me enviou para aqui

.

Sem comentários: