sábado, 28 de agosto de 2010

Amizade

.

Às vezes penso no que é a Amizade. Vasculhei umas tantas ideias. Li por exemplo, que para Montaigne é “um sentimento que une tão fortemente as almas que não se pode mais ver a costura que as unia antes” o que me deixou arrepiada e a pensar a Amizade como AMOR ÚNICO. Desta forma tão densa o espaço que eu teria para a Amizade quase que se cingirá a uma ou duas almas (ao mesmo tempo, claro).
Fiquei deprimida. Não me revia neste Montaigne. Não era por aqui o meu caminho.
Do que li, o que melhor se encaixa no meu carácter é quando a amizade existe, simplesmente existe, sem responsabilidade por dívida moral (roubei esta ideia não sei onde, mas é uma fato á minha medida). Alicerçada no não dever, no dever nada, o dever amistoso e espontâneo, responsável e verdadeiro. A amizade é um depósito de confiança entre dois seres. ( filosofia da amizade)

Conclui então:
A Amizade é espontaneidade nos silêncios que nos devemos.
Liberdade nos sentimentos espontâneos. É responsabilidade, mas não é Regra.
Não se perde na Amizade. Não se quantifica a Amizade. Vive-se

.

5 comentários:

Jeune Dame de Jazz disse...

Não consigo, ainda, tirar conclusões…o Nietzsche odiava quem lhe roubava a solidão e a amizade continuava a ser como o caminho utópico para a aletheia…

cs disse...

ui...confesso que nunca tinha ouvido tal vocábulo. Aletheia. Lá fui vasculhar...pois....lá fiquei cheia de dúvidas.

mais que me roubem a solidão odeio é que me invadam o silêncio

Bípede Falante disse...

Eu tenho os amigos da minha vida, as testemunhas da minha história. E acho assim, simploriamente, que amigo é aquele que não se retira em situação alguma, mesmo quando está e, muitas vezes é preciso estar, fisicamente longe.

cs disse...

Bípede

também ainda tão alguns desses, claro.

cs disse...

*tenho